RENAPI - Acessibilidade Virtual Informação ao alcance de todos

Início do Menu Final do Menu
Início do Conteúdo

Dicas de acessibilidade

Esta seção apresenta os recursos de acessibilidade presentes em nosso site, detalhes sobre testes de acessibilidade realizados, além de dicas e informações pertinentes a respeito de sua acessibilidade.

Tamanho do texto: Expandir

  • diminuir letra
  • tamanho normal
  • aumentar letra

Alto contraste Expandir

  • Preto

Teclas de acesso Expandir

Teclas de acesso são um recurso de navegação que permitem a você navegar neste web site com o seu teclado.

Teclas de acesso disponíveis Expandir

Este site usa uma configuração que se aproxima da maioria das recomendações internacionais sobre teclas de acesso. São elas:

  1. Conteúdo
  2. Menu
  3. Foco no campo de busca

Validação Expandir

Nós estamos usando XHTML 1.0 e CSS que obedecem às especificações, como é proposto pela W3C porque nós acreditamos que acessibilidade e usabilidade devem ter um embasamento sólido. Se alguma coisa neste site não está validando corretamente, por favor entre em contato com a Administração do Site.

A validação da acessibilidade foi realizada por meio de ferramentas automáticas e de revisão direta através de programas leitores de tela. Os métodos automáticos são geralmente rápidos, mas não são capazes de identificar todas as vertentes da acessibilidade. Sendo assim, a avaliação humana ou manual ajuda a garantir a clareza da linguagem e a facilidade da navegação do usuário pelo sítio.

Terminologias Expandir

Educação Especial

Como modalidade transversal a todos os níveis, etapas e modalidades de ensino, é parte integrante da educação regular, devendo ser prevista no projeto político-pedagógico da unidade escolar, com o objetivo de assegurar recursos e serviços educacionais especiais, organizados institucionalmente para apoiar, complementar, suplementar e, em alguns casos, substituir os serviços educacionais comuns, de modo a garantir a educação escolar e promover o desenvolvimento das potencialidades do educando que apresenta necessidades educacionais especiais. Sendo considerado como público alvo da Educação Especial às pessoas com deficiência, com transtornos globais do desenvolvimento e com altas habilidades ou superdotação. Resolução (CNE/CEB/ 4/2010).

Deficiência

Deficiência, o termo, significa uma restrição física, mental ou sensorial, de natureza permanente ou transitória, que limita a capacidade de exercer uma ou mais atividades essenciais da vida diária, causada ou agravada pelo ambiente econômico e social (ONU, 1999, Convenção da Guatemala); Sendo considerada pessoa com deficiência a que se enquadrar, em uma das cinco categorias: deficiência física; deficiência auditiva; deficiência visual; deficiência intelectual; deficiência múltipla. Decreto 3.298, art. 4º (BRASIL, 1999) e Decreto 5.626 (BRASIL, 2004).

Deficiência física

Alteração completa ou parcial de um ou mais segmentos do corpo humano, acarretando o comprometimento da função física, apresentando-se sob a forma de paraplegia, paraparesia, monoplegia, monoparesia, tetraplegia, tetraparesia, triplegia, triparesia, hemiplegia, hemiparesia, ostomia, amputação ou ausência de membro, paralisia cerebral, nanismo, membros com deformidade congênita ou adquirida, exceto as deformidades estéticas e as que não produzam dificuldades para o desempenho de funções. Decreto 3.298, art. 4º (BRASIL, 1999).

Deficiência auditiva

Perda bilateral, parcial ou total, de quarenta e um decibéis (dB) ou mais, aferida por audiograma nas frequências de 500Hz, 1.000Hz, 2.000Hz e 3.000Hz. Decreto 3.298, art. 4º (BRASIL, 1999).

Deficiência visual

Cegueira, na qual a acuidade visual é igual ou menor que 0,05 no melhor olho, com a melhor correção óptica; a baixa visão, que significa acuidade visual entre 0,3 e 0,05 no melhor olho, com a melhor correção óptica; os casos nos quais a somatória da medida do campo visual em ambos os olhos for igual ou menor que 60o; ou a ocorrência simultânea de quaisquer das condições anteriores. Decreto 3.298, art. 4º (BRASIL, 1999).

Deficiência intelectual

Funcionamento intelectual significativamente inferior à média, com manifestação antes dos dezoito anos e limitações associadas a duas ou mais áreas de habilidades adaptativas, tais como: comunicação; cuidado pessoal; habilidades sociais; utilização dos recursos da comunidade; saúde e segurança; habilidades acadêmicas; lazer; e trabalho. Decreto 3.298, art. 4º (BRASIL, 1999).

Deficiência múltipla

Associação de duas ou mais deficiências; e pessoa com mobilidade reduzida, aquela que, não se enquadrando no conceito de ‘pessoa com deficiência’, tenha, por qualquer motivo, dificuldade de movimentar-se, permanente ou temporariamente, gerando redução efetiva da mobilidade, flexibilidade, coordenação motora e percepção. Decreto 3.298, art. 4º (BRASIL, 1999).

Educação inclusiva

Constitui um paradigma educacional fundamentado na concepção de direitos humanos, que conjuga igualdade e diferença como valores indissociáveis, e que avança em relação à ideia de equidade formal ao contextualizar as circunstâncias históricas da produção da exclusão dentro e fora da escola. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva (BRASIL, 2008).

Inclusão escolar

Entendido como o processo de adequação da escola para que todos os alunos recebam uma educação de qualidade, cada um a partir da realidade com que chega à escola, independentemente de raça, etnia, gênero, situação socioeconômica, deficiências etc. É a escola que deve ser capaz de acolher todo tipo de aluno e de lhe oferecer educação de qualidade, ou seja, respostas educativas compatíveis com as suas habilidades, necessidades e expectativas. SASSAKI (MEC/SECADI, 2002).

Integração escolar

Entendido como o processo tradicional de adequação do aluno às estruturas física, administrativa, curricular, pedagógica e política da escola. A integração trabalha com o pressuposto de que o aluno precisa ser capaz de aprender no nível pré-estabelecido pelo sistema de ensino. SASSAKI (MEC/SECADI, 2002).

Transtornos Globais do Desenvolvimento

São pessoas que apresentam alterações qualitativas das interações sociais recíprocas e na comunicação, um repertório de interesses e atividades restrito, estereotipado e repetitivo. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva (BRASIL, 2008).

Altas Habilidades/Superdotação

São pessoas que demonstram potencial elevado em qualquer uma das seguintes áreas (isoladas ou combinadas): intelectual, acadêmica, liderança, psicomotricidade e artes. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva (BRASIL, 2008).

Desenho universal

Significa a concepção de produtos, ambientes, programas e serviços a serem usados, até onde for possível, por todas as pessoas, sem necessidade de adaptação ou projeto específico. O “desenho universal” não excluirá tecnologia assistiva para grupos específicos de pessoas com deficiência, quando necessárias. Decreto 6.949, (BRASIL, 2009).

Necessidades Educacionais Especiais (NEE)

Conceito que surge com na medida em que se constrói novos entendimento a cerca do ensinar e do aprender; em vez de focalizar a necessidade especial do aluno que pode ser decorrente de deficiência, faixa etária, outras; enfatiza as formas e condições de aprendizagem - o ensino e a escola – procura pelo tipo de resposta educativa e de recursos de apoio que a escola deve ajustar para que o aluno na sua singularidade obtenha sucesso escolar. Nesta nova abordagem acredita-se que todo e qualquer aluno pode apresentar, ao longo do processo ensino aprendizagem, alguma necessidade educacional especial (NEE), temporária ou permanente vinculada ou não ao público alvo da Educação Especial, que no conceito da necessidade educacional especial é compreendido em dois grupos: As necessidades educacionais especiais não vinculadas a uma causa orgânica específica e as necessidades educacionais especiais relacionadas a condições, disfunções, limitações ou deficiências. Parecer (CNE/CEB/17/2001).

Equipe multiprofissional (EM)

A composição dessa equipe pode abranger pedagogo, médicos, psicólogos, fonoaudiólogos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, assistentes sociais, psicopedagogos e outros; podendo a equipe multiprofissional (EM) ser composta por profissionais que já fazem parte da instituição de ensino ou profissionais de diferentes instituições. Parecer (CNE/CEB/17/2001).

Salas de recursos multifuncional

Serviço de natureza pedagógica, conduzido por professor especializado, que suplementa (no caso dos superdotados) e complementa (para os demais alunos) o atendimento educacional realizado em classes comuns da rede regular de ensino. Esse serviço realiza-se em escolas, em local dotado de equipamentos e recursos pedagógicos adequados às necessidades educacionais especiais dos alunos, podendo estender-se a alunos de escolas próximas, nas quais ainda não exista esse atendimento. Pode ser realizado individualmente ou em pequenos grupos, para alunos que apresentem necessidades educacionais especiais semelhantes, em horário diferente daquele em que frequentam a classe comum. Parecer (CNE/CEB/17/2001).

Atendimento Educacional Especializado (AEE)

Conjunto de atividades, recursos de acessibilidade e pedagógicos organizados institucional e continuamente, prestado de forma complementar (à formação dos estudantes com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento, como apoio permanente e limitado no tempo e na frequência dos estudantes às salas de recursos multifuncionais) ou suplementar (à formação de estudantes com altas habilidades ou superdotação) com o objetivo de eliminar as barreiras que possam obstruir o processo de escolarização de estudantes - público alvo da Educação Especial - com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação. Decreto 7.611, (BRASIL,2011).

Itinerância

Serviço de orientação e supervisão pedagógica desenvolvida por professores especializados que fazem visitas periódicas às escolas para trabalhar com os alunos que apresentem necessidades educacionais especiais e com seus respectivos professores de classe comum da rede regular de ensino. Parecer (CNE/CEB/17/2001).

Acessibilidade

É definida pela Lei 10.098, art. 2º (BRASIL, 2000) como possibilidade e condição de alcance para utilização, com segurança e autonomia, dos espaços, mobiliários e equipamentos urbanos, das edificações, dos transportes e dos sistemas e meios de comunicação, por pessoa com deficiência ou com mobilidade reduzida. Lei 10.098 (BRASIL, 2000).

Barreiras

É definida pela Lei 10.098, art. 2º (BRASIL, 2000) como qualquer entrave ou obstáculo que limite ou impeça o acesso, a liberdade de movimento e circulação com segurança de todas as pessoas. Sendo classificadas em barreiras arquitetônicas urbanísticas; barreiras arquitetônicas na edificação; barreiras arquitetônicas nos transportes e barreiras na comunicação. Lei 10.098 (BRASIL, 2000).

Pessoa com deficiência ou com mobilidade reduzida

É definida pela Lei 10.098, art. 2º (BRASIL, 2000), como aquela que temporária ou permanentemente tem limitada sua capacidade de relacionar-se com o meio e de utilizá-lo. Lei 10.098 (BRASIL, 2000).

Ajuda técnica

Qualquer elemento que facilite a autonomia pessoal ou possibilite o acesso e o uso de meio físico. Lei 10.098, art. 2º (BRASIL, 2000).

Tecnologia Assistiva (TA)

Segundo Berch e Tonolli (2012) é um termo , “utilizado para identificar todo o arsenal de Recursos e Serviços que contribuem para proporcionar ou ampliar habilidades funcionais de pessoas com deficiência e consequentemente promover vida independente e inclusão. O propósito das Tecnologias Assistiva reside em ampliar a comunicação, a mobilidade, o controle do ambiente, as possibilidades de aprendizado, trabalho e integração na vida familiar, com os amigos e na sociedade em geral” (SONZA, 2008).

Intérprete de libras

É um profissional capacitado e/ou habilitado em processos de interpretação da língua de sinais, deve ter titulação, certificação e registro profissional. Atua em situações formais e em situações informais. Decreto 5.626, (BRASIL, 2005).

TECNEP

TECNEP - Programa que promove a inserção das Instituições Federais de Educação Tecnológica para o atendimento dos alunos com necessidades educacionais especiais nos cursos de nível básico, técnico e tecnológico; como parte da política pública inclusiva no âmbito da educação, e tem como objetivo principal a consolidação dos direitos das pessoas com necessidades educacionais especiais, sendo coordenado pelo Ministério da Educação/Secretaria de Educação Técnica e Profissionalizante. (MEC/SECADI, 2004).

NAPNE

O Núcleo de Atendimento às Pessoas com Necessidades Educacionais Especiais - NAPNE é um órgão que foi institucionalizado por intermédio do programa TECNEP - Educação, Tecnologia e Profissionalização para Pessoas com Necessidades Educacionais Especiais. (MEC/SECADI, 2004).

Sistema braille

Sistema de leitura e escrita em relevo, com base em 64 (sessenta e quatro) símbolos resultantes da combinação de 6 (seis) pontos, dispostos em duas colunas de 3 (três) pontos. É também denominado Código Braille. (MEC/SECADI/1999).

Reabilitação

Processo destinado a capacitar pessoas com deficiência a atingirem e manterem seus níveis ótimos em termos físicos, sensoriais, intelectuais, psiquiátricos e/ou funcionais sociais dando assim ferramentas para mudar sua vida em direção a um nível elevado de independência. Normas sobre a equiparação de oportunidade para pessoas com deficiência, Nações Unidas, (MEC/SECADI, 1996).

Final do Conteúdo
Voltar ao topo

Instituto de Educação e Assistência aos Cegos do Nordeste